A Magia das Palavras

"A solidão não existe para o intelectual, para o homem que pensa e lê. Todos podem temê-la, menos ele o homem habituado a encontrar dentro de si o mundo."


Olá a todos! Antes demais, gostava de explicar esta minha "pequena" ausência.

Como a Catarina já teve a oportunidade de dizer num comentário, eu sou de Torres Vedras. E isto não andou lá muito famoso por estes lados. Depois do que aconteceu, ficámos sem luz. Depois de a luz vir, não tinha telefone, nem internet. Quando fiquei com internet, bloqueava tudo quando eu entrava no Blogger! Enfim! Haja paciência.

Espero sinceramente que tenham passado um Natal maravilhoso junto das pessoas que mais amam! Com muitas prendinhas (livrinhos??) e felicidade.

Tenho de vos dizer que a minha melhor prenda, foi ter passado no exame de condução!!! (Tinha de vos contar, depois de falar daquelas minhas aventuras com o carro de instrução :D
Por agora, resta-me desejar que esta noite vos corra bem! Entrem em 2010 com o pé direito (não se esqueçam de se pôr em cima de um banco e saltar! Nem dos desejos!).
Um Grande Beijinho,
Sara.

Vou repetir o que centenas de pessoas andam a dizer:

"Eu senti!" - Meu Deus. Que treco lareco que me ia dando!

Estava muito bem aqui no quarto da residência, começou tudo a tremer, a cadeira parecia estar a andar à roda, as janelas a fazer barulho... e Eu a pensar que não estava boa da cabeça!

Até que me entra a minha colega de quarto a dizer "Sentiste??? Houve um sismo!".

Ps: Andam a falar que o sismo teve uma magnitude de 6? (Uite uiu!)

Aqui está a noticia:

"Violento Sismo sacode Portugal:

Um violento sismo de seis graus na escala de Richter sacudiu esta madrugada a zona Sul de Portugal.
O tremor de terra foi sentido em Lisboa, Setúbal, Évora, Beja e Algarve.
O epicentro do sismo foi em pleno Oceano Atlântico, a cem quilómetros do Cabo de São Vicente.
Até ao momento não foram registados estragos."

In, Correio da Manhã (sempre actualizados :P)

(Meu Deus, são quase 3h da manhã e eu em vez de ir dormir ando aqui acordada. Amanhã nas aulas é que vai ser!)

Bem, eu criei este blogue para falar de livros, mas não vou ser presa por fugir ao tema :D Eu tinha de contar isto! Foi tão... engraçado. (Agora penso que sim).

Então, na sexta feira, tive aula de condução. É verdade, ainda não me livrei disto, mas agora não tenho ido às aulas, tenho estado fora da terrinha (saudades) e não dá. Mas não interessa.
Estava eu muito bem, a aulinha a correr com normalidade, até que... Pum!

Isso mesmo! Pum! Estava parada à entrada de uma rotunda, daquelas que têm duas vias de acesso. Como estava a dizer, estava eu muito bem paradinha, quando o "meu" carro anda alguns centímetros para a frente. O meu primeiro pensamento foi "Ai Meu Deus! O que é que eu fiz de mal?". Virei-me para o meu instrutor e vi-o de sobrolho franzido. Tinham-nos batido por trás! Ele saiu do carro para ver se o carro estava estragado, olhei pelo espelho e vi um senhor já de certa idade a conduzir, com uma senhora ao lado. Para nossa sorte, não ficou nem com um arranhão, já do carro do senhor que bateu, não posso dizer o mesmo.

Para cúmulo, o velhinho acelerou o carro e fugiu!!! Já não existem velhinhos como antigamente :P

O meu instrutor entrou, olha para mim e diz: "Fogo, isto só acontece contigo".

Ah... Só para compreenderem o comentário do instrutor: Eu tenho tido assim um pouquinho de azar no que toca ao carro... Primeiro, furei um pneu (Lucky), depois tive de ser eu a mudar o pneu, o que vale é que a chave se estragou e teve de ser o instrutor a mudá-lo porque tem mais força. Depois, fui para o auto estrada, o carro começou a deitar fumo (Imenso fumo) e quando saímos do auto estrada, parou de andar. Depois, pois, ainda não acabou, os piscas deixaram de dar. Tive de andar lá a aprender com mudar as lâmpadas. E por fim (ufa), a bóia do gasoleo (será que se chama assim?) avariou!

Digam-me lá se o carro não me adora? :D

Agora não me recordo a ordem dos livros que li. Vou falar deles apenas, sem ordem de leitura.

Sempre adorei a escrita da Torey Hayden. É maravilhosa a forma como consegue descrever temas tão fortes e ao mesmo tempo prender-nos ao livro. Antes de tudo, é importante salientar que as histórias escritas por ela são reais! Apenas mudam os nomes dos personagens por questões deontológicas.

Quando o livro saiu, só descansei quando o comprei (será que existe algum clube do estilo “Livroólicos Anónimos”?). Ainda tive esperança de poder ganhá-lo em algum passatempo, mas a sorte não estava do meu lado.


Ao inicio fiquei meio desiludida com o livro. Não sei. Este é um livro diferente dos anteriores, a própria autora o diz.

Nos anteriores, ela era professora de alunos com deficiências quer mentais que físicas. Tinha uma turma com quem interagia diariamente. Nesses livros, desde o inicio assistíamos a crianças normalmente marginalizadas a criar laços com uma estranha. Alguém que se importava com elas.

Ao contrário dos vários profissionais pelos quais as crianças passavam, Torey desenvolvia uma relação de amizade com elas. Não se tratavam apenas de casos.


Neste livro, a história centra-se na vida de Kevin, um rapaz com 15 anos (uma idade com a qual Torey não está habituada a lidar) e de uma menina com 7 anos (se não estou em erro).

Aqui, desde o inicio que ela fazia comentários do género “É tão feio”, coisa que não fazia nos anteriores. Ela não conseguia compreende-lo, o que era normal, visto o seu passado ser uma incógnita. (Mesmo quando ele melhora, ela percebe que melhorou por querer, não por causa dela, pelo menos directamente. É claro que as suas técnicas ajudaram)


Mas qual o problema do rapaz “enjaulado”? (Esta foi uma alcunha criada pelos funcionários, pois o adolescente colocava-se sempre debaixo das mesas, rodeado de cadeiras. O Menino não falava, não comunicava com as pessoas.)


Ao inicio, as suas sessões com Torey são frustrantes, até que ela começa a adoptar métodos quase ridículos para médicos especializados. Ela lia-lhe livros, cantava canções com ele, anedotas… Coisas normais… Que o fizeram falar com ela.

Mas para frustração dela, ele fala apenas com ela. Fora da sala de onde se realizam as sessões, ele volta a ser o mesmo miúdo, fechado em si mesmo.

Depois de algumas sessões, Kevin, começa a demonstrar várias facetas. Algumas delas mais violentas (chega a agredir Torey), outras mais artísticas, onde desenha com uma minuciosidade incrível. Mas, a parte assustadora, é que os seus desenhos mostram actos violentos demasiadamente detalhados (mortes, órgãos a sair das pessoas mortas).

Ao mesmo tempo que os progressos são notórios, Torey começa a perceber o desejo de vingança existente em Kevin em relação ao padrasto. Aos poucos, começa a contar coisas do seu passado. Mas sem registos e ao falar com determinadas pessoas, Torey não sabe no que há-de ou não acreditar.

O menino começa a falar de certas atitudes violentas por parte do padrasto. Fala-lhe da sua irmã mais nova, das suas aventuras com ela (cuja existência Torey chega a duvidar), e da sua morte, provocada pelo padrasto.
Vai ser difícil lidar com este adolescente, cuja vida é desconhecida. Sem documentos, sem nada.

Paralelamente a esta história, Torey inscreve-se num programa de “Irmãs mais velhas”, ou seja, ser a irmã do “faz de conta” de crianças que precisam de crianças que precisam de ajuda. A ela, calha-lhe uma miúda de nariz empinado, convencida e mentirosa. Mais tarde percebe que tudo isto é uma defesa criada pela menina.

A miúda começa a estar constantemente na sua casa, começa a fazer parte da sua vida. E ela, como “coração mole” que é, não consegue dizer que não. Vai ser interessante ver a evolução da sua relação com a criança.

Como estava a dizer, ao inicio não me estava a entusiasmar com o livro, estava entediada. Mas depois, não consegui parar de ler até ao final. Quando começamos a descobrir o passado de Kevin, um passado sombrio e violento, vemos que o menino não é assim tão mentiroso como diziam. Afinal, tudo o que ele dizia era verdade, tudo tinha uma razão de ser. É tão interessante ver como o passado de uma pessoa influencia tanto o seu futuro. É interessante ver as barreiras que uma criança consegue criar. Houve uma coisa que me marcou, algo que o Kevin disse.

Ele disse que às vezes era bom ser louco, ao menos davam-lhe injecções que faziam com que não sentisse nada. Que esquecesse tudo o que lhe tinha acontecido.

Não é assustador uma criança pensar desta maneira? Em todo o livro eu não consegui deixar de pensar: "Meu Deus! Como conseguem tratar miúdos inocentes desta maneira?".

Para juntar a tudo isto, o seu melhor amigo (que estava a trabalhar consigo) é despedido por ser homossexual. Aqui junta-se esta questão problemática, e vemos, que até uma criança consegue ver que isso não tem nada a ver com o trabalho. Pelo que me descreveram dele no livro, era uma pessoa fenomenal. Fiquei com imensa pena quando "saiu" da história, e houve uma cena que me fez chorar até quase morrer afogada (exagerada!). Uma cena, que acontece depois de ser despedido. Ele encontra-se com a Torey num bar, sentam-se e ele apenas diz isto:

“Sabes, este mundo é um lugar engraçado. Se eu fosse nazi, haveria quem defendesse o meu direito constitucional de odiar judeus. Se eu pertencesse ao Ku-Klux-Klan, alguém defenderia o meu direito de odiar os negros. Um lugar engraçado este mundo. O ódio tem direitos. O amor não.”

Digam-me, não é forte?

É um livro que descreve cenas fortes, não tanto como os anteriores. Faz-nos ver a realidade como ela é, e não numa névoa ilusória.

Existem muitas ideias a retirar neste livro, algumas maravilhosas, outras arrepiantes.

Quem nunca leu um livro desta autora, recomendo vivamente. É maravilhosa. E é tão bom ver como alguém consegue fazer tão bem a tanta gente.

Vou deixar outra frases que gostei do livro (não mostrotodas, porque não me recordo das páginas :D), tem a ver com a existência de Deus, a perspectiva do Kevin.

"Nenhum Deus faria um mundo onde houvesse tantas pessoas que não têm um único ser que as ame. Se o mundo tivesse sido feito segundo um plano, haveria pessoas suficientes para toda a gente ser amada."

E a explicação dele para a morte de muita gente: "Mal do coração. É como um cancro invisivel. Está no nosso coração. Pode-se senti-lo. Come-nos por dentro. É o que se tem quando não se faz seja o que for para além de nascer. O coração nunca é utilizado. E por isso apanha-se o mal do coração e o coração degrada-se. Muitas vezes, antes de o resto do corpo se degradar. Só que isso não tem importância porque, uma vez morto o coração, também estamos mortos."

Não se esqueçam: É um livro forte, com cenas simplesmente horriveis de violência.

Sinopse:

Quando a técnica de educação especial Torey Hayden aceitou ocupar-se do jovem Kevin de 15 anos, encontrou um miúdo a quem o mundo exterior causava pânico e que vivia fechado num mutismo voluntário No entanto aquela era apenas a parte visível de um abismo de sofrimento.
Em todas as instituições por onde passara, consideravam-no um caso perdido e a própria Hayden sentiu-o como um vencido e compreendeu que só por milagre conseguiria ultrapassar os muros que ele construíra à sua volta. Mas Hayden tem um coração maior que o mundo e sentia-se incapaz de desistir dele. Pouco a pouco foi descobrindo uma história chocante de violência e abandono e um terrível segredo que um indiferente processo burocrático tinha simplesmente esquecido.

Séculos e Séculos mais tarde o blogue voltou a ser utilizado por uma descendente directa da antiga utilizadora, Sara Inês. Ahaha :D Kidding!


Antes de escrever o que quer que seja, tenho de vos agradecer por não se esquecerem de mim! Tantos comentários que estou a ver! Obrigado.

Bem, dos livros que tenho para escrever no blogue, vou começar por falar dos livrinhos pequeninos que já li da Saga “MacGregor” da nossa Nora Roberts.

Deve confessar que foi dos livros que mais me custaram a ler este ano, apesar de pequeninos. Não sei se tem a ver com o facto de os ter lido numa altura em que estava cansada, se com a história em si (que é o mais certo). Tenho de vos dizer que depois de ler estes livros, tive de parar de ler Nora Roberts para não enjoar por completo.

Eu explico melhor. Ao ler estes livros, comecei a reparar que a Nora exagera um pouco no feminismo. As mulheres são super independentes, super inteligentes, super desenrascadas, práticas. Super tudo. E tratam os homens como se os tivessem na palma da mão (E aqui normalmente têm). São arrogantes e convencidas. São exageradamente senhoras de si.

Não que eu tenha algo contra mulheres assim, mas tudo tem limites. Era bom que elas fossem mais equilibradas. Nestes livros, fiquei com a sensação de que as mulheres não eram de maneira alguma, influenciadas pelos homens que amavam (ou que pelo menos diziam amar). Todos sabemos que isso não é assim. Todos nós somos influenciados por alguém, em certos momentos da nossa vida. Quer, queiramos quer não.

- 1º Volume – A Melhor Aposta

Fala da história de Serena, filha de Daniel MacGregor (um dos personagens que mais gosto nestes livros.) e de Justin, um homem misterioso que é, o que se pode chamar, de craque em jogos de casino.

Desde o inicio que Justin faz papel de cachorrinho babado e Serena, de arrogante. Ele anda atrás dela, ela dá-lhe com os pés. Ela, com a sua personalidade "forte", ele a dar de si.

Comecei mal com o primeiro livro. Achei-o sem sentido. Especialmente quando cheguei perto do final e vi como é que a Serena se escapou de um acontecimento (não posso dar spoilers). Só posso dizer que foi exagerado. Extremamente ridículo.
Tive a sorte de encontrar três personagens decentes: Alan e Caine, irmãos de Serena e Daniel MacGregor, o pai. Um casamenteiro de primeira!

- 2º Volume – Desafiar o destino
Quando li a Sinopse, fiquei esperançada. Parecia ser um bom livro. Caine, um mulherengo nato, sem nunca conhecer realmente o amor, , finalmente apaixona-se por uma mulher que tinha criado barreiras difíceis de penetrar. Diana, irmã de Justin, era uma mulher fria, habituada a não demonstrar sentimentos, a ser deixada pelos que amava. Senti-me motivada a ler… Mas mal comecei a história, fiquei entediada.
A rapariga supostamente fria e distante, que não mostrava os seus sentimentos, passava a vida a chorar e a queixar-se a Caine. Ora ficava distante, ora ficava uma piegas de primeira. Mas sempre com a arrogância presente. Sempre com aquele pé atrás. Mais uma vez, era o homem que tinha de dar o braço a torcer, era o homem que tinha de se esforçar. A mulher só dizia se sim ou não.

Mais uma vez, não gostei especialmente do livro.

- 3º Volume – Todas as possibilidades
Confesso que já não estava muito entusiasmada com a saga. A sinopse deste pequeno livro não me entusiasmou muito.

Desta vez, os protagonistas foram Alan, o filho mais velho de Daniel MacGregor, e Shelby.

Para minha surpresa, gostei bastante deste livro.

Alan era um homem calmo e paciente, um politico promissor em tenra idade. Organizado, controlado. Pelo contrário, Shelby era um espírito rebelde. Livre.

Odiava completamente a política. Para ela, era impossível ligar-se a uma pessoa com uma profissão relacionada com o assunto… até encontrar Alan.

Alan vai fazê-la lutar contra fantasmas antigos, que assombram a sua vida (A morte do pai). E vai conquistá-la com pequenos gestos românticos que fariam delirar qualquer mulher. Como nos livros anteriores, também ela resistiu (Por bons motivos desta vez).

A diferença com os outros livros, foi que desta vez, foi Shelby quem deu o braço a torcer. Foi ela, que no final, foi ter com Alan. Neste livro, ambos lutaram por uma relação.

Daniel, com as suas queixas (Algo do género: A vossa mãe está preocupada, não nos ligam, não lhe dão descendentes…) continua a animar os livros.

Aqui, para melhorar, existe ainda uma antiga rixa entre a família de Alan, MacGregor, e a família de Shelby, Campbell. O que vai ser motivo de implicância entre ela e Daniel.

- 4º Volume – Uma luz na sua vida

O quarto volume fala da história de Grant Campbell, um homem que se isolou do mundo depois da morte do pai, e de Genviève Grandeau, uma artista, com bastante confiança em si própria.

Mais um livro que parecia melhor do que realmente é. Adorei o Grant. Mas a Genviève mostrou-se convencida e mesquinha. Irritou-me profundamente. Queria seduzir Grant, mas recuava sempre que ele tentava algo.

Apesar de tudo, gostei de rever as personagens dos outros livros aqui.

- 5º Volume – Agora e Sempre
Esta história é interessante de ser lida. Tem como protagonistas Anna e Daniel MacGregor.

Daniel está no hospital, entre a vida e a morte, e Anna, recorda o passado de ambos.

Daniel é um homem persistente, romântico, muito ligado às suas raízes. Aos ensinamentos da sua família. Enquanto Anna, é uma jovem ambiciosa, que pretende seguir medicina. Algo raro na sua época.

Anna recusa-se a ter algo com Daniel, com medo que ele a faça escolher entre si e o seu curso.
Mas apesar de tudo, sabe que sofre por isso.

É uma história bonita, em certas partes meio… irritantes (é o que digo, quando a Nora se põe a escrever sobre as mulheres…). Mas muito bonita. Depois do terceiro volume, este foi até agora o meu favorito. Apenas o Alan e a sua Shelby conseguiram superar.


Na minha opinião, quem não conseguiu encontrar estes livros... não perdeu muito. (Sem contar com o terceiro volume :D)

Bem, e como diz o ditado: "Quem é vivo, sempre aparece", aqui estou eu!! Depois de milénios sem me dignar a aparecer por aqui (Que tristeza Sara!).

Agora não vou falar de nenhum livro (apesar de ter alguns para falar aqui no blog... Isto vai acumulando :D). Vim aqui dizer um Olá e pedir desculpa a todos...

Isto tem sido complicado, sabem? Primeiro, mudei-me para Lisboa, para uma residência. Ou seja, levo o portátil, mas a internet é uma porcaria. Resultado: Venho ao blog ao fim de semana, aqui em casa!

Depois, como sou caloira lá, não posso concorrer aos quartos, ou seja, tenho de ficar com o que ficar livre... Mas existem 3 concursos! Já mudei duas vezes de quarto! Irritante...

E para melhorar a experiencia, o nosso lindo frigorifico serve para 20 pessoas (4 pessoas em cada prateleira) e resolveu congelar :D Tivemos de estar lá a tirar tudo...
Como se não bastasse, tive a fazer um trabalho de grupo e o professor recusou-se a dar-nos nota! (Tudo porque nas dificuldades que ele nos pediu, dissemos que tinhamos tido dificuldade no tempo, e o senhor lá entendeu que estávamos a criticar os métodos de trabalho dele!).
Entre outros trabalhos, e a minha primeira frequência, está tudo bem =D

Quero agradecer a todos os selinhos que recebi!! MUITO OBRIGADO! Tenho de os ir dar também. Obrigado, por, apesar de o blog estar parado, se lembrarem de mim.

Um abraço a todos!!

Bem, antes de tudo, quero pedir desculpa por não ter dado noticias últimamente, e por ter demorado tanto tempo a passar os selinhos. Mas tenho estado tão cansada que não vinha ao blog :)


Bem, quero agradecer por todos os selinhos que me deram. Foi um gesto muito querid o da vossa parte. Sabe sempre bem receber um miminho destes não é?


Selinho 1: "Nota 10". Este selinho foi-me oferecido pela (vou pôr apenas nomes porque eu não sei fazer a hiperligação -.- Eu sou um desastre :D) : Jojo (Os Devaneios da Jojo); Tatiana (O Cantinho da Tati) ; pela Diana (Refúgio dos livros); pela Catarina (Ao ler o livro) e pela Nataxxa

Regras:
- Escrever uma lista com oito características suas ou do seu bichinho.
- Convidar oito blogueiros para receber o selinho.
- Fazer um comentário no blog de quem deu o selo.
- Comentar nos blogs ou enviar um e-mail aos que vão receber o selinho.

Características:
Minhas:
1. Amiga
2. Leal
3. Sonhadora
4. Simpática

Do meu Kiko:
1. Simpático
2. Teimoso (é como eu)
3. Inteligente
4. Fofinho :D

Vou oferecer a:
1. Laelany - Chá da Meia noite
2. Raquel - Os mil e um Mundos
3. Fernanda - Demasiado Fieis para desistir
4. Nataxxa no blog: Clube das cabeças badalhocas e no blog: Nataxxa's Bookshelf
5. MPatricia - Refúgio dos livros
6. Karina Porto - K Romances
7. AMB - Books and Books
8. Sara - SaraMartins
9. Paulo - They Watch Us
10. Estrela da Noite - Páginas Soltas
11. Marta - Chuva de livros
12. Rafaela Regis - Dicas de Livros
E por último, devolvo o selinho para as meninas que mo mandaram. Porque merecem. O vosso blog merece mais do que 10 :D


Selinho 2- O seu blog é um doce :)



REGRAS:
1. Agradecer ao blog que ofereceu o selinho:
Muito obrigado meninas :) Estes miminhos são bastante fofinhos! Então, Obrigado Laelany (Chá da Meia noite) e Jojo (Os devaneios da Jojo).

2.Indicar 9 blogues para receber o selinho:
Eu quero dar este selinho aos blogs do selinho anterior =D E para todos os visitantes do meu blog. Um grande obrigado por gastarem tempo com este meu espaço :) Considerem-se presenteados.

9. Caracteristicas minhas:
1. Teimosa
2. Simpática
3. Com a cabeça na lua (sou a pessoa mais distraída que conheço)
4. Perfeccionista
5. Boa ouvinte (penso eu)
6. Desorganizada (meu Deus)
7. Viciada em Leituras :P
8. Apaixonada pela vida
9. Amiga dos animais =D

Selinho 3- Vale a Pena ficar de olho nesse blog
Obrigado, mais uma vez, por este presente :) Obrigado: Raquel (Os mil e um Mundos); MPatricia (Entre páginas); AMB (Books and Books).






Mais uma vez, mando o selinho para todos os blogs que estão na listinha para receber o primeiro. São blogs maravilhosos, que merecem todos os selinhos do mundo.
Queria também dizer que adoro os selinhos. São um meio óptimo para mostrar-mos aos outros bloguistas que apreciamos o trabalho deles, e também nos ajuda a conhecer outros blogs :)
Mais uma vez, obrigado, e espero que gostem*
PS: Com estes selinhos fiquei babada :D Se houver alguma letra a faltar, já sabem, foi o teclado que avariou com tanta baba :P

Peço desculpa, não tenho andado a postar nada no blog (A data deste post vai estar errada, porque tinha uma parte como rascunho) já tenho este livro lido há imenso tempo, e não falo nada -.- Que tristeza Sara! Mas sabem o que é, começou agora a faculdade... As praxes (primeiro ano), tenho saído de casa muito cedo (como vou para lisboa tenho de me levantar as 06:30 h) e chego a casa muito tarde. Resultado: Leituras atrasadas, blog sem andamento!


Bem... O que é que eu hei-de dizer... Este livro é quase que uma história do percurso do autor, da sua experiência com espiritos. Admito que o livro me fez um bocado de confusão. E confesso que enquanto o estava a ler, achava determinadas coisas meio... Ridiculas. Atenção, não que eu não acredite em espiritos. Acredito! E sei que eles podem comunicar connosco. Até porque já tive alguns casos, onde vi isso com os próprios olhos. Mas a maneira como o senhor falava de certas coisas irritava-me.

Desde o ínicio que ele descrevia um mundo dos espiritos perfeito, dizia coisas do estilo: "Os fantasmas conseguem tudo o que querem." ; "Os espiritios têm a casa dos sonhos deles à sua espera"; "Os espíritos não sentem dor" (mas depois contrariava-se e dizia que eles sentiam o mal que faziam aos outros na terra, tirando isso...).

Outra coisa que me indignou um bocado foi ele dizer (com as seguintes palavras) que "A Terra é o caixote de lixo emocional dos espiritos", e que o corpo é um empecilho para o espirito... Por amor da Santa Mãezinha! A ideia com que eu fiquei em certas partes do livro foi que (chamem-me exagerada se quiserem) uma pessoa que estivesse farta da vida, que estivesse depressiva (supostamente o livro era para nos ajudar) e experimentasse o livro, pensava na ideia do suícidio (e se já tivesse pensado antes e tivesse medo da dor), iria ter o livro com incentivo (pois, porque ele diz que a morte não doi... ah esperem. Não existe morte, só nos livramos do corpo, que é uma coisa que nos prende...).

Bem, mas chega de criticas negativas. Houve partes que achei interessantes. Por exemplo, técnicas para sentir-mos a nossa energia e para nos defender-mos de energias negativas, ou para mandar o nosso amor para outra pessoa. E é isso que vou tentar passar para aqui :D Toca a experimentar pessoal! Acho que experimentar não faz mal. E agora costumo fazer algumas coisas. Sabem, é engraçado, eu li este livro, e na faculdade fizemos um peddy paper, o meu grupo ganhou (Força desterrados!!!) e ganhámos uma aula de Terapia do Riso como prémio. Na aula, a senhora explicou-nos certas coisas relacionadas com espiritos e com estados de energia que eu consegui perceber graças a este livro. E todas estas técnicas me vieram à cabeça. Foi muito interessante.

Então, minha gente, toca a experimentar as seguintes coisas e ver se realmente funciona:

-> Maneira de Sentir a Energia:

1. "Para começar, abane os braços longe do corpo. Isso irá ajudá-lo a descomprimir e a relaxar. Estenda as mãos em frente do corpo, afastadas cerca de sessenta centímetros, com as palmas viradas uma para a outra. Feche os olhos e concentre toda a sua atenção única e exclusivamente no espaço entre as palmas das mãos. Após alguns segundos, comece lentamente a aproximá-las uma da outra. Preste atenção ao que acontece ao espaço entre as suas mãos. À medida que for aproximando as palmas, comecerá a experimentar uma sensação de formigueiro ou força magnética que emana das suas mãos. Ao aproximar ainda mais as mãos, a sensação de formigueiro será mais pronunciada. É esta a percepção que temos da energia.".

2. Este exercicio requer duas pessoas: " O seu parceiro deve permanecer a cerca de um metro de distância e de costas voltadas para si. Peça-lhe para fechar os olhos, relaxar, concentrar a sua atenção no seu corpo e ver que sensações ele lhe transmite. Posicione-se atrás do seu parceiro e estenda as suas mãos com as palmas viradas para as costas dele. Muito lentamente, movimente as suas mãos para a frente e para trás. Seja paciente e persista neste movimento. Passados alguns minutos , irá reparar que o corpo do seu parceiro começa a oscilar para a frente e para trás, ao ritmo do movimento das suas mãos."
-> Exercicio de protecção (Vou resumir, porque é muito grande)

1. Sente-se numa cadeira com as costas direitas. Feche os olhos e concentre a sua atenção no meio da cabeça. Preste atenção às sensações que o seu corpo experimenta.
2. A respiração é o nosso filtro de limpeza. É importante perceber que ingere nova energia quando inspira e expele energia usada quando expira.

3. Concentre a sua atenção na planta dos pés. Imagine que são troncos de árvores e que saiem raízes em direcção ao chão e ao centro da Terra.
4. Imagine um tubo que sai da base da sua coluna, atravessa o chão e termina no centro da terra. Este tubo vai ser utilizado para libertar qualquer excesso de energia que o seu corpo já não quer.

5. Inspire, e imagine a energia verde e nutritiva da mãe natureza a entrar pelas suas pernas e raízes. Expire, para libertar os excessos de energia.

6. Depois de algumas Inspirações/expirações, imagine a luz do sol sobre a sua cabeça.

-> Agora, as que eu gosto :D : Técnicas de protecção:

1. O Duche de luz: " Enquanto estiver a tomar banho, feche os olhos e imagine a água a transformar-se numa cascata de luz branca. Veja essa luz a a fluir em volta do seu corpo, à medida que esta flui, vai lavando os seus detritos psiquicos e a energia estagnada. "

2. O Espelho reflector: "Este exercicio deve ser feito antes de entrar em locais onde possa haver energias negativas. Imagine que um espelho que envolve todo o seu corpo a 360 graus. O lado reflector está virado para fora e serve de escudo protector. Vai projectar os pensamentos dos outros para eles próprios.

3. O Manto: Quando pretender ir a algum sítio e permanecer no anonimato, imagine que se cobriu com um manto escuro que o tapa por completo.

4. A Bolha: Imagine uma bolha gigante com as suas cores favoritas, a envolvê-lo. Ao pensar numa cor Diga: "Esta cor protege-me de qualquer energia negativa que venha na minha direcção".

5. A luz cor de rosa: Sempre que estiver preocupado com alguém, e lhe quiser mandar uma protecção instantânea, visualize essa pessoa envolvida numa luz cor-de-rosa. Esta luz representa o amor incondicional.

E já chega :D Estes últimos, que requerem mais a força da mente, eu tenho feito. Acho engraçado, e mal não faz. Portanto, só pode fazer bem ou nada. 50-50. Espero que experimentem.

Bem, bem, bem! Sinto-me tremendamente estúpida por ter sequer pensado que não ia gostar deste livro!


Este volume é como que uma continuação da famosa Trilogia das Jóias Negras. Eu comprei os três volumes juntos. Quando comecei a ler o primeiro, estava a ser dificil para mim interiorizar tudo aquilo. É que é um mundo completamente diferente do nosso (e ao mesmo tempo igual). Nesse mesmo livro, são-nos apresentadas várias personagens de várias "raças". E acreditem que os nomes são todos tão diferentes do habitual que se torna confuso. E comecei a pensar que tinha feito mal em comprar a Trilogia... Até que comecei a entrar bem na história, e acreditem, tornou-se viciante!

A Anne cria personagens fantásticas!!! (Prova disso é o Daemon - Que homem!; O lucivar - Um eyrieno fantástico; A Jaenelle; Saetan; Surreal... etc). Ao lermos a história, não temos vontade de parar... Queremos virar a página para saber o que vem a seguir... Rápido!
Quando acabei a Trilogia, como já disse no blog, parecia que me tinham descarregado uma dose extra de emoções. Nós não nos apercebemos que estamos a ser praticamente sugados para dentro do livro! Acontece de uma forma tão casual, que nem damos por isso! Quando reparamos, já estamos envolvidos. Quando terminei, parecia sentir falta de algo.

Até que comprei este livro, mas sempre tive medo de o ler, por pensar que podia ser pesado... Mal peguei no livro, percebi as saudades que sentia dos personagens. Começar a lê-lo foi quase mágico. Começar a entrar novamente nas vidas daquelas personagens maravilhosas, foi como voltar a casa depois de um tempo fora.

Adorei a evolução das personagens. Notei uma diferença enorme na Jaenelle. Já é uma mulher (tal como no terceiro volume da Trilogia), e não a criança que em tempos foi. Achei-a mais confiante, com menos reservas em relação ao que sentia pelo Daemon. Apesar de ter estilhaçado as jóias negras, continua a ter um poder incrivel.

O Daemon, está mais descontraído (apesar de se lembrar bastante do que lhe aconteceu sobre o domínio das Rainhas de Terreile). Achei estranho o facto de ele se submeter tanto a Jaenelle (não estranho por não saber o motivo... estranho apenas... por ele ser muito forte, parece que o amor muda mesmo as pessoas; Já para não falar que ela era A Feiticeira). Achei super engraçado ele ter falado com o pai acerca do seu medo de perder ... como dizer... a intensidade sádica (lol isto não saiu lá muito bem) por estar parado... (No final vemos que Sadi continua com a mesma intensidade, e que só um maluco pode pôr sequer a hipótese de brincar com o Sádico).

Lucivar, tal como Daemon, submete-se à mulher (Marian), o que a assusta um bocado, ter um homem tão forte assim. Ainda não está completamente recuperado do que aconteceu no último volume da Trilogia.

A Tersa também me surpreendeu muito! Adorei saber que afinal ela não estava assim tão alheia ao Mundo real. Adorei o carinho que ela tinha pelo filho e por Lucivar.

Mas quanto à história do livro: Um escritor famoso (ambicioso e doido - é que só pode, para fazer o que fez), descobre que é Sangue. Para mostrar ao mundo a sua "descoberta", decide investigar coisas sobre a Raça e escrever um livro onde o personagem principal (que é ele) descobre ser sangue e vive como tal. Ao contrário do que pensa, em vez de impressionar os Sangue, consegue diverti-los, pois o que escreve não tem nada a ver com a maneira de viver dos Sangue.

Isso enfurece-o (juntamente com a humilhação que sofre junto dos sangue). Decide então montar uma armadilha mortal para a família SaDiablo.

Jaenelle, ao ler os livros, tem uma ideia para divertir as crianças: Fazer uma casa "assombrada"; uma casa que mostra os mitos sobre os Sangue entre os Plebeus. ). O escritor, vai aproveitar essa ideia, e criar uma outra casa, a tal armadilha. Vai ter a ajuda de 3 viúvas negras. Vai matar os seus ajudantes, tornando-os também armas mortais.

Apenas Surreal, com o seu amigo Rainier entram na casa, juntamente com ste crianças plebeias. Acreditem que a casa é mesmo assustadora! Existiram cenas ... que wow... Eram fortes... A Anne tem uma maneira excelente de escrever. Algumas crianças acabam por morrer.

Mas o nosso querido escritor não vai sair impune! O Sádico vai mostrar o que é capaz de fazer quando brincam com as pessoas que ama! E ele não vai gostar!

O livro tem também cenas cómicas! Fica a sugestão! Experimentem esta autora, sem dúvida não se vão arrepender ;)


Entretanto, aqui fica a sinopse:

"Uma visita a uma velha mansão transforma-se num assunto de vida ou morte...
Neste enfeitiçado volume do mundo das Jóias Negras, um escritor enlouquecido descobre que é descendente dos Sangue. Mas quando percebe que os seus sonhos de grandeza e fama são apenas uma fantasia, decide vingar-se. Os Sangue vão pagar caro por o substimarem e a primeira vítima vai ser a família SaDiablo. Surreal SaDiablo e o Príncipe Rainier recebem um convite para visitar uma velha mansão que personifica os mitos e poderes mágicos dos Sangue. Mas a mansão é, na verdade, uma poderosa armadilha mortal para capturar outros Sangue e usá-los como marionetas para inspirar a sua escrita. As suas vidas dependem agora de um jogo de enigmas. Enquanto Surreal e Rainier lutam para escapar à armadilha mortal, Daemon Sadi e o seu meio irmão Lucivar preparam-se para aparecer no máximo das suas forças. E prometem que quem os provocou, vai arrepender-se..."

Foi o primeiro livro que li desta autora. Fiquei surpreendida pelo bom humor da sua escrita. Confesso que estava um pouco com o pé atrás. Apesar de todas as boas criticas, estava com medo de ficar com expectativas demasiado elevadas (Como aconteceu com o "Amante de Sonho"). Confesso que este livro voltou a activar a choradeira :D Até metade do livro, partia-me a rir, depois, chorava. Consegue divertido e romântico. Acho que se o lerem não se vão arrepender!

Vai ser dificil falar do livro, porque praticamente tudo pode ser considerado Spoiler! Pois, se eu contar o que aconteceu numa parte do livro, vou estar a desvendar como acabou a parte anterior. Pois, porque no livro, estamos sempre a pensar: Então e agora? Como é que fica isto? E não conseguimos largar o livro até chegar ao final (pelo menos foi o que me aconteceu. Ontem fiquei até ás 5 da manhã a ler, hoje de manhã para acordar foi jeitoso!)
Então, vou tentar falar da história em si: Gewn Cassidy, filha de dois fisicos brilhantes, é ela em si um génio. Com isso, vem uma grande pressão por parte dos pais, e das pessoas próximas. Depois de descobrir como fazer uma arma que pode destruir o mundo, e acabar com bastantes crenças, ela descobre que não quer fazer o que faz. Destrói toda o seu trabalho e decide mudar de ambiente. Os pais não aprovam a sua atitude, cortando assim relações com ela.

Cansada de tudo, decide aproveitar uma promoção para uma viagem á Escócia (que ela depois descobre ser uma viagem para idosos).

Além de toda a pressão que tinha, havia outra coisa que incomodava Gwen: Aos 25 anos ainda era virgem. Todos os homens que se aproximavam dela, era por causa da fama dos pais.

Cansada dos idosos, ao chegar ao local, decide ir explorar as montanhas. Por acidente, a mochila que trazia consigo cai, e ela, para não a perder, vai atrás dela. Mas o chão acaba por ceder com o seu peso, e ela acaba por cair num género de gruta. Ao cair, assusta-se, pois sente o corpo de uma pessoa. Fica horrorizada ao pensar que pode estar ao pé de um morto, até que sente o coração fraco do homem. Aproveitando que ele está inconsciente, ela explora o seu corpo (Chamem-lhe parva).

Entretanto, o homem, com cabelos compridos negros, e um corpo de fazer inveja aos desportistas dos dias de hoje, abre os olhos. Qual não é o espanto de Drustan (o nome do caro senhor) ao ver uma "moça" praticamente nua, sentada sobre si (quando digo praticamente nua, é na cabeça dele. Ela estava com um top e uns calções). O que ela não sabe, é que ele está adormecido desde o Século XVI. Graças a uma velhota que lê a sina, ele é enfeitiçado pelos ciganos, para dormir eternamente, para o acordar seria preciso a luz do sol e sangue (ao cair na Gruta, Gwen fica com sangue nas mãos, e o buraco deixa a luz do sol entrar).

Acreditem! A primeira parte do livro é mesmo muito engraçada!!! Drustan tenta convencer Gwen que está adormecido desde o Século XVI, contando-lhe coisas sobre a sua familia, sobre a sua casa. Ela, como cientista que é, pensa que ele está louco, mas mesmo assim pretende ajudá-lo.

Para começar, depois de o ter convencido que a melhor maneira de irem para a sua terra não era a pé, mas num automóvel (uma carroça sem animais :P), que o fazia ficar a tremer e bastante tenso, decide que tem de lhe comprar roupa (visto ele estar vestido apenas com um Kilt). Na loja (onde ele insiste querer umas "galdras" púrpura), existe uma cena bem engraçada!! Ao vestir umas calças demasiado justas, ele fica a sentir-se... hum... Apertado lá nos "países baixos", quando a Gwen olha, fica espantada com o tamanho e diz-lhe que ele enfiou lá uma peúga. A sério, o livro é muito engraçado!!

Com roupa e comida comprada, decidem ir para a terra dele, onde ele insiste que o seu castelo está. Ao chegar lá, percebe que o castelo foi demolido. Como é Druida, vai fazer um feitiço para o tempo voltar atrás. Assim pode descobrir quem o encantou (ele não sabe), e salvar a familia.

Mas depois, a história dá uma reviravolta a partir daqui, que eu não vou poder falar, iria estragar-vos a surpresa (a quem ainda não leu). Depois, vão haver partes tristes, que se forem como eu :D, é melhor prepararem o lencinho lolol

Uma das coisas que eu achei interessante é o rumo que dá a história da velhota (sim, nós vamos ficar a conhecer a história dela), achei que foi um final para ela... inesperado.

Achei linda a relação entre a Gwen e o Drustan, ambos inteligentes, de personalidades fortes. As turras deles, as juras de amor que ele lhe fala (que é um feitiço que o compromete a amá-la para sempre, mesmo que ela não o ame a ele).

Achei super amoroso a insegurança de Drustan em relação às mulheres. No tempo dele, elas fugiam todas assustadas com o seu poder mágico. Ele já não acreditava que seria amado, mas quando Gwen aparece e o ama sabendo o que ele é... É lindo. E a maneira como ele fica sempre ansioso para que ela lhe diga que o ama... É tãooo querido!

A sério, leiam este livro. Vale a pena ;) Ao acabar, quase que gritei: SEGUINTE!
(Ah pois, o segundo volume traduzido em Português já está a venda - é o Highlander Negro, e conta a história de Dageus, irmão gémeo de Drustan. Tenho a certeza que o vamos adorar!!)


Entretanto, aqui fica a sinopse:

"Exausta do trabalho e saturada do quotidiano, Gwen Cassidy decide marcar uma viagem à Europa. O destino escolhido são as verdes Highlands da Escócia. Mas a esperança de encontrar o homem dos seus sonhos desvanece quando percebe que a sua fantástica viagem é afinal uma excursão de idosos. Frustrada, decide deambular sozinha pelas colinas de Loch Ness, onde acaba por escorregar e cair numa caverna há muito abandonada.Nessa caverna, jaz Drustan Mackeltar, um lorde escocês adormecido por um feitiço há quinhentos anos, que começa a desenvolver um sentimento controverso pela fascinante personalidade de Gwen. Irreverente e impulsiva, ela não é nada como as mulheres que se cruzaram na sua vida. Será ela uma mulher à altura de um lorde como Drustan? "

Este é o terceiro livro que leio da autora. Quando li o primeiro, "Um beijo na escuridão", gostei do livro, mas fiquei sem saber o que pensar da autora. Havia partes da história em que me apetecia passar folhas sem as ler (que horrror :O, vocês nunca leram isto! :D); Depois, como cabeça dura que sou, decidi comprar o outro livro editado em Português, "Nunca te perdi", e fiquei rendida. Está no meu top de livros. Adorei. Portanto, decidi comprar este. A Sinopse chamou-me a atenção. Acho que a autora varia muito na maneira de escrever. Não o achei parecido com nenhum dos anteriores, costumamos ver semelhanças nos autores, nos seus diferentes livros, mas a Linda consegue trocar-me as voltas :D


É um livro muito suave, fácil de se ler. Eu confesso que ri imenso com o Cameron! Não é que o homem, mesmo ferido, pensava em sexo? Ele tinha um humor fantástico!

Mas, falando da história do livro: Bailey Wingate casa com um milionário, e fica viúva passado um ano. O senhor era bastante mais velho que ela (já era idoso). Graças a isso, todos os amigos que julgava ter se afastam dela, e os amigos do marido, que enquanto estavam vivos a tratavam bem, agora, desprezam-na. O que se formos a ver é natural nestes dias, uma mulher jovem, na casa dos 20, casar-se com um velhote, dá sempre que falar. Especialmente se esse velhote for Rico. Então, a verdade é que nenhum deles se amava, o casamento para ambos foi como um negócio. Foi apenas para ela ficar a gerir o dinheiro do Senhor. O Sr. Wingate tinha como objectivo humilhar o filho, ao casar com uma mulher mais nova, e ao colocá-la a gerir a sua fortuna e as "mesadas" dos filhos, pois queria que ele acordasse para a vida, e que visse que tinha de fazer alguma coisa para ser ele a gerir toda a sua fortuna.

Bailey decide aceitar a proposta, e casa-se. Mas fica com um fardo enorme: Tem de aturar os dois enteados: Seth e Tamzin, que são ambos interesseiros, e impossiveis de aturar.

Para se afastar de tudo isso, de toda a confusão em que a sua vida se tornou, Bailey decide ir ter com o irmão (o único membro da familia com quem mantém contacto, visto os seus pais se terem divorciado, e nunca terem realmente dado atenção aos filhos), para se isolarem de tudo. Para isso, vai à empresa de Cameron e de Bret (o melhor amigo de Cam) para planear o voo.

À última hora, Bret fica doente, e Cameron tem de o substituir. Ele que odiava a Sra. Wingate. Achava-a fria e distante, e como toda a gente pensava, julgava que ela se tinha casado para dar o famoso "golpe do baú".
Então, estão ambos muito bem instalados no pequeno avião, quando o motor pára mesmo no momento em que estão a atravessar umas montanhas. Apesar da situação, Cameron não perde o sangue frio, e continua a pilotar o avião com intuito de cair em cimas das árvores para amparar a queda. Enquanto isso, Bailey está aterrada, já está consciente de que vai morrer... Até acordar e perceber que continua viva, que Cam conseguiu o que pretendia. Mas ao olhar para ele, parece-lhe estar morto.

Depois de perceber que ele apenas está inconsciente, com um golpe enorme na cabeça (na testa), ela tenta estancar o sangue, colocando roupa na testa dele. Enquanto Cam está deitado no chão, ela tenta tirar tudo o que a pode ajudar a sobreviver no avião (As malas que ela leva cheia de coisas são a salvação deles, ainda os homens se queixam que as mulheres andam com a casa as costas!).

Cameron ouve Bailey sempre a falar com ele enquanto trabalha (segundo ela, as pessoas inconscientes ouvem o que lhes dizem). Cam, que já está acordado, diz-lhe onde está a caixa de primeiros socorros, e pede-lhe para lhe cozer a testa!

Com ele fraco (perdeu bastante sangue), é ela quem tem de os desenrascar. Faz a cabana, procura os materiais necessários... tudo isso. Ela cuida dele, sente-se em dívida por ele lhes ter salvo a vida, esquecendo-se dela própria. Para piorar tudo, cairam nas montanhas, que estão cobertas de neve.

O livro retrata a maneira como eles conseguem sobreviver, com sede e frio, com fome. A maneira como eles conseguem ultrapassar essas dificuldades. Garanto-vos que se vão rir com o Cameron e com as observações da Bailey (Como é que um homem que perdeu sangue quase até a morte consegue ter uma erecção?), parti-me a rir quando ele diz: " Eu perdi muito sangue, e todo o que tenho está a ir ali para baixo, não consigo pensar assim"...

É giro, como ele percebe que afinal toda a frieza dela é apenas uma capa protectora... Outra coisa que gostei, foi a lógica dele para a tentar pôr à vontade com os compromissos que ele quer assumir, segundo ele, todas aquelas horas juntas podem traduzir-se em encontros amorosos.

Cameron, já melhor, decide ir ver o avião, e descobre que foi sabotado. Desconfiam logo de Seth, o enteado de Bailey. Mas será que foi ele realmente? (uhh uhh, não estão à espera que eu dê este mega spoiler pois não? :P)


Aqui fica a sinopse:

"Um violento acidente de aviação... uma perigosa caminhada pela inóspita paisagem de Idaho... uma atracção arrebatadora... e um jogo mortal do gato e do rato.
Bailey é uma mulher bonita e jovem, e acaba de se tornar viúva do multimilionário Winegate. Mas os seus problemas não terminam aqui: os filhos que ele deixou têm praticamente a idade de Bailey e quando descobrem que toda a fortuna ficou a cargo dela, passam detestá-la ainda mais. Quando decide usar o avião particular para sair do inferno em que a sua vida se tornara, este despenha-se. Mas graças à perícia do seu piloto, Cam Justice, o acidente não lhe tira a vida. Afastada do mundo e com pouca esperança de ser salva, Bailey tem que confiar a sua vida a Cam, um homem tão rude quantoatraente."

Este é o Quarto e último volume da Saga Da Baía de Chesapeake.


Para meu desespero, esta linda Saga acabou. Pergunto-me o que vou fazer agora sem aqueles homens todos maravilhosos, os meus queridos Quinn. :D
Bem, este livro conta a história do último rapaz acolhido no lar dos Quinn, Seth Delauter. Este livro passa-se mais ou menos depois de 20 anos dos primeiros. Ou seja, o Seth tem a volta de 30 anos, e os irmãos, transformaram-se em Cinquentões sexys (devem ser como o vinho do Porto, quanto mais velhos, melhor).

Este livro tem uma coisa engraçada, não é normal vermos a evolução dos personagens principais de outros livros, temos sempre a ideia de que viveram felizes e novos para sempre. Aqui acabam-se as ideias :D Vemos aquela gente toda com 50 anos, com filhos... Oh sim, os filhos deles eram tão engraçados. Vemos a evolução de uma verdadeira familia. Vemos o orgulho deles, no que Seth se tornou (Ora bolas, até eu fiquei orgulhosa do nosso menino).

Bem, esta história tem como personagens principais o Seth (o nosso menino) e Drusilla (nunca me irei habituar ao nome dela).

Drusilla é uma rapariga muito rica, neta do Senador, que foge da cidade e da atenção dos fotógrafos. Quer começar uma vida nova, uma vida onde seja independente. Gostei dela. Era uma mulher forte, com convicção, que sabia o que queria. Graças a ela, o Seth vai conseguir ultrapassar um problema relacionado com a mãe dele.

Pois, a senhora Gloria volta neste livro para atormentar Seth. Descobrimos aqui, que desde os 14 anos, o menino lhe dava dinheiro pois tinha medo das ameaças dela à familia. Nem sabem como me custou ouvir isto, é como se eu estivesse lá na história e me apetecesse apertar o pescoço a Gloria por não deixar Seth viver em paz na sua nova vida. Sabemos que Seth parte para a Europa para estudar arte, para conseguir aproveitar o seu dom, e como ele diz, para fugir um pouco de Gloria, para a deixar longe da familia. Mas a fama que ele ganha estraga tudo, e ela acaba por estar sempre em cima dele. Sempre a extorquir-lhe dinheiro. Sabem, o pior de tudo é pensar que existem pessoas assim na vida real, pessoas que conseguem considerar os filhos uma fonte de lucro, que os vendem, que os trocam por coisas minimas. O que assusta, é pensar que existem milhões de Seths, Camerons, Ethans e Phillips pelo mundo real, e que nenhum deles tem um final feliz.
Mas bem, neste livro, Seth, volta da Europa, pois está farto de estar longe da familia que tanto ama. É quando volta, que conhece Dru. O Seth está bastante diferente do menino que estavamos acostumadas ao inicio. Ele era muito assustadiço, aqui não. É muito extrovertido, muito bom socialmente. Torna-se um homem bonito (aii, como qualquer Quinn), maduro... Acho que este foi o livro onde mais ri. Existiam situações bastante engraçadas!

A relação do Seth com a Dru é muito bonita. Ela está meio traumatizada em relação aos homens. Foi traída pelo noivo, que acabou por lhe dizer que a culpa era dela, por não ter imaginação na cama... Imaginam o que isso faz ao Ego de uma mulher. Então, antes de se entregar a Seth, vai haver resistência á brava! E o mais engraçado, é que ela lhe respondia a letra quando ele comentava alguma coisa. Especialmente quando os comentários são relacionados com pintura (ele quer pintá-la desde o primeiro dia que a vê).
Achei tão giro ver os irmãos sempre juntos, as memórias dele da adolescência e infância... E melhor!! O que eu me ri ao ver que o Phillip não mudou nada! Adorava quando ele começava com aquela conversa dele do "E se nós fugissemos para ... e mudassemos de nome...". A sério! E ver como o Ethan continuava com aquela calma toda... O Cam também não mudou nada. Os confrontos da Anna com ele, eram um máximo.
Mas ao regressar a S.Cris, regressa Gloria também. E com Gloria atrás, Seth vai afastar-se de todos para tentar evitar que sofram. E vai ser realmente triste ver como ele vai sofrer ao tentar afastar-se das pessoas que ama, ao tentar afastar Dru. Mas, antes que ela saía da sua vida, ele vai pedir desculpa e vai explicar o que está a acontecer, e o que acontece? Ela obriga-o a Reunir todos os Quinn ás 3 da manhã! Oh yeah!
Claro que eles vão engendrar um plano... E vão tentar ver-se livres de Gloria. Ao inicio pensam que conseguiram, mas então, a cara senhora vinga-se, e vai magoa-los mesmo com a atitude que tem (Que eu não vou contar porque estragava a surpresa).

Uma coisa que me surpreendeu no livro, foi o aparecer da Stella Quinn (em fantasma claro). Ao inicio ele vai pensar que está a sonhar e conta a Cam, ele vai-lhe pedir para perguntar sobre um pão Courgette. O que eu me ri com a história!! Mas não vou contar... Não queremos spoilers :D

Agora que chegou ao fim, tenho vontade de os ler todos outra vez! o pior é que vou chorar até ficar com dor de cabeça. Pois, apesar deste livro ser o mais divertido (para mim), não impediu a minha alma lamechas. Estes quatro livros realmente tocaram cá no fundo. Adorei, estão no meu top como um só. São os quatro maravilhosos, cada um à sua maneira. Cada um deles, a mostrar-nos Quatro rapazes que conseguiram criar uma vida boa, com base do amor da familia Quinn.

Aconselho-vos a todos a ler esta maravilhosa Saga, não se vão arrepender! Mais uma vez, obrigado Laelany!

Oh Meus Deus! Quero os Quinn de voltaaaaa!!!!


Aqui fica a sinopse:

"Seth Quinn chegou finalmente a casa. Foi uma viajem longa. Depois de uma infância complicada com uma mãe toxicodependente, foi acolhido pela família Quinn e cresceu com três irmãos mais velhos que o protegeram e amaram.
Agora, um homem feito e de regresso da Europa como um pintor aclamado, Seth instala-se perto dos seus irmãos: Cam, Ethan e Phil, bem como das suas mulheres e filhos. O seu sonho? Uma casa branca, um barquinho na doca, uma cadeira de baloiço no alpendre e um cachorro a seus pés.

Mas muita coisa mudou na pequena vila desde que Seth partiu para a Europa e a mais intrigante de todas é a presença da jovem Dru Banks. Uma rapariga da cidade que abriu uma loja de flores junto ao mar, ela procura independência e o desafio de conseguir algo sozinha, sem a influência da sua poderosa família. Em Seth ela vê outro desafio... um desafio a que não consegue resistir.
Mas há uma tempestade no horizonte que vai testar esta relação aos limites. O passado de Dru fez dela uma mulher com dificuldade em confiar. E o de Seth tornou-o alvo de uma chantagem... quando um segredo que ele sempre manteve escondido ameaça vir ao de cima e destruir não só a sua nova vida mas também o seu amor e os seus irmãos
."

Este é o Terceiro volume da Saga da Baia de Chesapeake.


Esta é a história do último irmão da primeira geração de Quinns (lolol). Agora a sério, esta é a história do Phillip Quinn, o terceiro irmão a ser acolhido na casa de Ray e Stella.

Nos livros anteriores já ficamos habituados a ver a maneira do Phillip. Para falar a verdade, estava a morrer de curiosidade para chegar ao livro dele. Ele mostra-se um homem com bom gosto para vinhos e roupa, trabalha em Publicidade. O que lhe dificulta a vida. Tem de dividir-se entre várias coisas, tem de ir para o trabalho (que fica na cidade, em Baltimore), tem de voltar para S.Cris, para ajudar os irmãos no negócio que os três abriram (com muitos resmungos do nosso querido Phill), tem de ajudar com Seth, e ainda partilhar as tarefas domésticas (que estão mais calmas com a ajuda de Anna e Grace, agora casadas com Cam e Ethan).

Ele é um homem que gosta de aventuras com mulheres, que se afasta da palavra "amor". É muito pragmático, o que lhe vai dificultar muito a vida quando o fantasma do seu pai, Ray, lhe aparece. Vai começar a inventar desculpas para não pensar que enlouqueceu. E, acreditem, vai ser engraçado quando os irmãos percebem que ele também vê o pai, vão aproveitar a situação (quer dizer, o Cam vai aproveitar a situação) para gozar com Phillip!

Acho que ele era um homem com um carácter muito forte. Era persistente, romântico qb, um homem que pensava bastante nos pormenores. era ele quem tratava da "papelada" da "Barcos Quinn". Tratava dos pagamentos, das dívidas, da parte que para eles era mais chata. Adorei uma atitude que ele teve em relação ao negócio, como não tinham muito dinheiro e precisavam dele, ele dava o ordenado aos irmãos e não passava cheque para ele, deixava a sua parte para o negócio (sim, porque apesar de resmungar muito, ele entrega-se de coração ao negócio).

Também adorei quando ele faz uma surpresa aos irmãos, e leva um letreiro para colocar no armazem que alugaram. O letreiro tinha o nome do negócio "Barcos Quinn", e o nome dos Irmãos, incluindo o do Seth (o que eu adorei, visto eles fazerem tudo como se ele estivesse sempre do lado deles).

Neste livro, vemos uma maior acção em volta de Seth. A familia dele entra em grande na história. Como já era de esperar, com o final do segundo volume, a mãe de Seth, Gloria Delauter aparece para pedir mais dinheiro, e a ameaçar levar o filho para longe da familia. Junto com ela, vêm mentiras. quem cai nas mentiras de Gloria, é Sybill. A sua irmã, uma psicóloga e Socióloga famosa, que vai para S.Cris, com intenção de ver com os seus próprios olhos o que está a acontecer com Seth, aproveitando para escrever um livro sobre a população da pequena aldeia.

Sybill vai entrar em contacto com a familia Quinn, sem contar quem é. Com isso, consegue aproximar-se de Seth. Sem querer, acaba por se apaixonar por Phillip. Ela é uma mulher muito cautelosa. Aprendeu a reprimir as suas emoções ao decorrer da sua vida. Aprendeu a viver como observadora, a não fazer parte do mundo que observava. Portanto, colocava uma máscara de frieza em seu redor para as pessoas não verem que estava a sofrer. Para não transpassar nenhuma emoção. Tudo isto porque estava habituada a não ser amada. A única pessoa que a amou foi Seth quando era pequenino (com 4 anos), ela ajudou a tratar dele durante umas semanas, deixando-o dormir na sua cama, pois o pequenino tinha medo do escuro (tal como ela em pequena, mas os pais não lhe ligavam). Tudo corre bem, até que Gloria foge de casa com o bebé. Como não quer sentir essa sensação de perda, de dor, aumenta a sua protecção (a sua capa fria).

Como já se está a imaginar, tudo isto vai dar uma grande confusão. Gloria acaba por ser presa, Sybill decidi ir pagar a fiança para a irmã sair, mas os Quinn decidem ir falar com a mãe de Seth, ou seja, encontram-se todos. E é caso para dizer que, se o olhar matasse, Phillip tornava-se assasino e a Sybill ia desta para melhor!

E aqui vem outra coisa que adorei no Phill. Apesar de tudo, ele foi ter com Sybill e soube ouvi-la. Ouvir a sua versão, e acreditou nela! É ele que a vai ajudar a aproximar-se novamente de Seth.

É neste livro também que descobrimos a verdade sobre o parentesco de Seth e Ray. É interessante o desenrolar desse assunto.

Outro momento do livro que adorei foi a festa de anos de Seth. Foi maravilhoso ver a felicidade do menino ao saber que ia ter uma festa de anos para ele, que ia receber presentes. E é nessa festa que Seth se lembra de Sybill. Que se lembra dos tempos que passou com ela, de como ela o tratava bem. Resultado: A Sybill sai "porta fora" e finalmente chora. Finalmente consegue deixar sair todo o peso que tinha dentro de si. Phillip vai ajudá-la, vai deixá-la chorar.

Meu Deus, esta Saga está a tornar-me piegas, choro sempre. Passo a vida a chorar enquanto os estou a ler. Seja de alegria, seja de tristeza, seja de compreensão. Estes livros são mesmo muito bons! Maravilhosos! Agora, com o livro de Seth, está-se a chegar ao fim da Saga.

Bem, quem quiser ler um excerto do livro, pode clicar no próximo link: http://www.saidadeemergencia.com/uploads/books/samples/43b_PortodeAbrigo.pdf

Aqui fica a sinopse:

"Phillip é o único dos três irmãos Quinn que ainda semantém solteiro. Com muita força de vontade, vai conseguindoconciliar um emprego exigente com os novosdeveres familiares, ou seja, ajudar a cuidar de Seth, oirmão adoptivo.Quando a Dra. Sybil Griffin aparece na vila com o objectivode pesquisar para um livro que pretende escrever, Phillipnão pode deixar de reparar nela, afinal, Sybil é uma mulhermisteriosa que agita os seus sentidos e ameaça roubar oseu coração. E se é verdade que Sybil também não podenegar a atracção que sente pelo carismático Phillip, osegredo que a liga ao jovem Seth pode deitar tudo aperder... e destruir a própria família Quinn."

O selinho "J'adore tien blog" foi-me dado pela Marta, do blog, Chuva de Livros. Antes demais, muito obrigado :)

Regras do selinho:
* Postar o selinho no Blogue;
* Informar os "premiados" do selinho;
* Dizer 5 coisas que você adora na vida.


Coisas que adoro na vida (não por ordem):
- Os meus pais
- Os meus amigos
- O meu Kiko (o meu pássaro :P)
- Livros (o meu pequeno tesouro)
- A bondade que as pessoas são capazes de mostrar umas pelas outras!

Vou oferecer este selinho a:

-> http://chmeianoite.blogspot.com/ (Chá da Meia Noite da Laelany)
-> http://amb-books-and-books.blogspot.com/ (Books and Books da AMB)
-> http://aolerolivro.blogspot.com/ (Ao ler o livro da Catarina)
-> http://devaneiosdajojo.blogspot.com/ (Os devaneios da Jojo - Maré de livros da Jojo)
-> http://cozinha-das-letras.blogspot.com/ (Cozinha das letras da Jacqueline e amigas)
-> http://bookmaniacas.blogspot.com/ (Bookmaníacas de Naná e Bárbara)
-> http://claudiaoliveiraescreve.blogspot.com/ (Claudia Oliveira escreve sobre livros da Claúdia)
-> http://barbararossana.blogspot.com/ (Barbara Rossana da Bárbara)
-> http://wwwcontamehistorias.blogspot.com/ (Conta-me histórias do Homem do leme)
-> http://the-door-to-my-imaginarium.blogspot.com/ (My Imaginarium da Tinkerbell)


O segundo selinho, foi-me oferecido pela Jojo, do blog "Os devaneios da Jojo - Maré de livros". Muito obrigado!!! :D Então aqui vou eu, responder às perguntas:

- Qual o livro que está lendo ou qual o último que leu?
Acabei de ler o "Marés Altas" da Nora Roberts, e vou começar daqui a pouco o terceiro volume da Saga, o "Porto de Abrigo".

- Qual livro preferido?
Essa é uma pergunta dificil! Tenho uma lista bem grandinha, mas posso dizer que entre os meus favoritos, estão "Nunca me esqueças" da Lesley Pearse, é uma história chocante, que me fez admirar bastante a Mary Road; o "Nómada" da Stephenie Meyer, acho que a Noa é das melhores personagens que já li. Os dois primeiros livros da Saga da Baía de Chesapeake, da Nora, estão também no meu top!

- Autor, capa, recomendação ou sinopse?
Depende! Ás vezes vejo a capa, chama-me muito a atenção (mas vejo sempre a sinopse), muitas outras vezes, vou por recomendações, mas nunca antes sem ver a sinopse, ou pedir à pessoa mais pormenores sobre o livro.

- Um livro que não consegue terminar de ler.
Normalmente isso não acontece. Eu gosto de terminar os livros que começo a ler, mesmo que não goste. A história pode sempre mudar...

-Aquele que não sai de sua cabeceira.
O livro que estou a ler no momento. Normalmente arrumo-os depois na estante.

- Escritor preferido.
Adoro a escrita da Torey Hayden. Uma escritora obrigatória na minha estante! Ela tem um talento enorme para lidar com crianças com problemas.
A Nora Roberts, é o meu mais recente vicio =D Consegue envolver-nos nas suas histórias.

-Eu recomendo:
Recomendo a Saga da Baía de Chesapeake da Nora Roberts (apesar de ter lido apenas os dois primeiros livros).

- Não recomendo:
Muita gente não concorda comigo, mas, não recomendo (por não gostar pessoalmente) os livros do Nicholas Sparks. Acho-os muito frustrantes! Com um final infeliz sempre imposto. Logo á partida, sabemos que o autor não vai dar oportunidade às personagens...
--/--
Este selinho vai para os mesmos blogs de cima, mas acrescento um:
-> http://chuvadelivros.blogspot.com/ (Chuva de livros da Marta)
--/--
Parabéns pelos vossos blogs, espero que gostei do presentinho =)

Este é o segundo volume da Saga da Baía de Chesapeake.


No primeiro livro, é-nos dado a conhecer os quatro irmãos, desde aí ficamos com vontade de conhecer mais um pouco de cada um deles. De descobrir mais coisas sobre o seu passado, sobre a sua maneira de ser...

Esta é a história do segundo irmão acolhido pela familia Quinn, o nosso querido e calmo Ethan.

Ao contrário do primeiro livro que se centrava muito na questão de ficar com Seth, este centra-se na maneira de ser de Ethan e das batalhas que tem de vencer para poder ter uma familia sua, e se entregar a mulher que sempre amou. Continuamos a ver a preocupação com a custódia de Seth (até porque neste livro, a mãe do menino dá noticias).

Vi muitas opinões que diziam que este livro era um pouco parado. Não concordo nada com isso! É certo que o Ethan pensa muito nas coisas, pensa muito antes de agir, racíocina muito, o que o faz parecer um bocado lento para as outras pessoas. Mas percebi que isso era apenas a sua "carapaça" protectora. Depois de uma infância de abusos, de violência, ele tinha medo de magoar as outras pessoas, como o tinham magoado a ele. Tinha medo de deixar as pessoas sem escolha, como tinham feito com ele. Portanto, opta levar a sua vida de maneira calma, de maneira a que consiga controlar todos os seus impulsos.

Mostra-se assim um homem bastante ponderado, muito calmo, que é muito dificil de irritar (mas no livro vêmo-lo irritado algumas vezes, o que é engraçado vindo dele). Ele põe na cabeça, que nunca vai ter uma familia, nunca vai ter filhos, com medo de lhes passar algum gene hereditário da mãe (que para ele era um monstro). Tem medo. (Aff, a maneira masculina de olhar para os problemas é encantadora). Achei super querido, ele não pensar nele próprio, ele que ansiava em ter Grace (A sua apaixonada desde sempre - pronto, desde há 10 atrás), em ter uma família, mas que se negava a isso, ao pensar nela e ao pensar como os poderia magoar (a ela e aos possiveis filhos). Pois, porque ele é uma cabeça-dura!! :P

No primeiro livro (que conta a história de Cam) já conhecemos Grace, a rapariga que vai ajudar nas lides domésticas, e já percebemos o quanto eles gostam um do outro. Aqui, com a ajuda de Anna, Grace vai dar o primeiro passo. Mas não quero entrar em mais pormenores sobre a relação deles, para não correr os riscos de dar spoilers!!

Também gostei muito da evolução do Seth do primeiro livro para este. Aqui ele já tem mais confiança com todos eles, já está muito mais relaxado. Achei super querido quando ele se pôs a espera da Anna e do Cam (que estavam em lua-de-mel), e fingir que estava apenas a brincar com os cães, ou quando fica furioso e percebe que a Grace e o Ethan tiveram sexo (ele tinha um passado onde o sexo lhe metia nojo, onde era para magoar), e a maneira como o Ethan, com aquela calma toda dele, lhe explica a diferença entre sexo e amor. Por causa do passado sombrio de ambos, eles conseguem criar uma relação muito especial. Durante o livro, o Seth vai comparando o Ethan com um herói de um filme a preto e branco que tinha visto, uma pessoa que fazia o que devia ser feito sem se vangloriar por isso. E era aí que se percebia a admiração dele por Ethan.

A Anna aparece em grande neste livro! Adorei a parte em que o Ethan apanha flores do canteiro dela, e ela descobre e anda atrás dos homens para ver quem se atreveu a apanhar as suas flores, o Ethan inventa que foram os coelhos. E que uma das maneiras de os afastar é com chichi seco, e ela se vira para o Cam e manda ir fazer chichi para as flores.

Outra coisa que me fez rir no livro, foi a aparição do pai deles, o Ray Quinn, em fantasma. Já tinha aparecido a Cam, e agora com Ethan era bastante engraçado. Ele ao ínicio julgava serem sonhos, depois percebeu que não, quando começou a falar e Seth o apanhou a "Falar sozinho". Depois Cam apercebe-se, e lá o ajuda a aceitar.

Bem, mas acho que estou a "falar" muito, é melhor parar por aqui. Sinceramente ainda me sinto assim meio "Atordoada" com o livro, este tocou-me mesmo cá no fundo. É muito bonito, e com certeza o Ethan Quinn entrou no meu top masculino de Ficção!! ahah :D

Laelany, não posso deixar de te agradecer novamente!! Obrigado!!!

Quem quiser ler um excerto deste livro, clique no link: http://www.saidadeemergencia.com/uploads/books/samples/2ht_MaresAltas.pdf

Entretanto, aqui fica a sinopse:

"Esta é a história de três irmãos que regressam a casa parahonrar o último pedido do seu pai: tratar e educar Seth,um rapaz problemático que precisa urgentemente de umafamília. Mas regressar a casa vai ensinar aos três irmãosmais do que alguma vez sonharam sobre o verdadeirosignificado da família.Dos três homens, Ethan era o que partilhava com o pai oamor pela costa de Maryland. E agora que o pai partiupara sempre, Ethan está determinado em fazer do negócioda família – a construção artesanal de barcos – um sucesso.Mas talvez esse nem seja o seu maior desafio...É que para além de Seth precisar de si mais do que nunca,há uma mulher que Ethan sempre amou mas nuncaacreditou poder possuir. Conseguirá Ethan enfrentar umpassado doloroso para criar o futuro com que sempresonhou? "

Este é o primeiro volume da Saga da Baía de Chesapeake.


Há algum tempo que ando rendida à escrita de Nora Roberts (apesar de ter posto na cabeça que não ia gostar da escrita da senhora). A mais recente das minhas aquisições foram esta maravilhosa saga. Ainda só li o primeiro volume, mas já fiquei rendida aos personagens!

Então, esta saga fala da história de 4 irmãos. Cameron, Ethan, Philip, e o mais novo membro da familia Quinn: Seth.

Estes rapazes não são irmãos de sangue, mas sim de coração. Todos eles tiveram uma infância complicada, cheia de violência, violações... Uma infância sem amor, onde as pessoas que amavam, desapareciam ou se tornavam "monstros" para eles.

A sorte destas crianças, foi a entrada de Raymond e Stella Quinn para as suas vidas. Ao inicio, todos eles se mostraram desconfiados (Como é óbvio, visto estarem habituados a serem maltratados). No caso de Seth, foi apenas Ray que apareceu na sua vida.

O primeiro volume centra-se na história de Cameron (ou Cam, como costuma ser chamado). Cam, é o primeiro rapaz a ser adoptado pelo casal Quinn. Com um passado traumatizante, o rapaz apenas pensa em dar problemas depois de fugir de casa para sua própria sobrevivência.

Depois de acolhido no lar de Stella e Ray, ele começa a aprender o que realmente é ser amado, o que é ter dois adultos preocupados com ele. Depois de ganhar uns pais, vai ganhar dois irmãos (Ethan e Philip, mas isso é uma história mais para a frente :D).

Neste livro, Cam já é adulto (assim como os dois irmãos). É famoso, Campeão de corridas de barco. É um homem que correu o mundo, abusando no toque a mulheres. A verdade é que é um homem que quer viver independente, sem compromissos.

Tudo na sua vida muda quando recebe uma carta dos irmãos, onde diz que o seu pai (Ray) está no hospital devido a um acidente de viação. No hospital, conhece Seth, um menino de 10 anos acolhido por Ray. O último pedido de Ray aos três filhos é que acolham a criança, que lhe dêem um lar.

É assim que Cameron volta para a antiga casa dos pais, juntamente com os irmãos, para lutar pela custódia de Seth. Com isso, nas suas vidas aparece a assistente social, Anna Spinelli, que vai apurar se os três irmãos estão ou não aptos para cuidar de uma criança.

Adorei o livro. É diferente... Achei interessante a ideia da Nora de centrar a história em personagens masculinas (As habilidades de Cam para as lides domésticas são de partir a rir!! Desde comida que, como eles dizem, "Nem os cães que bebem água da sanita comem", a roupa interior cor-de-rosa, temos de tudo :D).

Ao contrária de outras sagas (pelo menos deste género), onde os livros se centram apenas nos principais, nesta, a Nora mostrou-nos um pouco de todos os personagens. Tanto que já estou mortinha para ler a história dos outros irmãos.

Aqui, o futuro de Seth ainda fica em aberto. Vamos ver o que acontece no próximo volume!

Obrigado Laelany por me dares todas aquelas informações que me deram vontade de ir comprar esta saga!!!

Quem quiser ler um excerto deste livro, pode clicar no seguinte link: http://www.saidadeemergencia.com/uploads/books/samples/7hy_LevadopeloMar.pdf

Aqui fica a Sinopse:

"Levado pelo Mar conta a história de três irmãos, Cameron,Ethan e Philip, antigos jovens delinquentes adoptados porRaymond e Stella Quinn. Os irmãs são tão diferentes uns dosoutros quanto é possível, mas têm em comum um imensoamor pelo casal que os adoptou e criou. Agora, adultos e porconta própria, têm de voltar à casa da família para honrar oúltimo pedido do pai...Campeão de corridas de barcos, Cameron Quinn viajou pelomundo esbanjando as suas vitórias em champanhe e mulheres.Mas quando na hora da morte o pai o chama para cuidar deSeth, um jovem problemático como ele já fora um dia, a suavida dá uma reviravolta. Depois de anos de independência,Cameron tem de reaprender a viver com os irmãos, enquantoluta para cozinhar, limpar e cuidar de um rapaz complicado.Antigas rivalidades e novos ressentimentos despertam entreos irmãos, mas tudo terão de fazer para que Seth não saiaprejudicado. Pois no final, será uma assistente social quedecidirá o destino de Seth e, tão dura quanto bonita, ela temo poder de unir os Quinn... ou de os separar para sempre. "

Foi o primeiro livro da autora que li, e foi dos pequeninos, vendido na Harlequin (penso que só esta editora publicou a autora).

É de leitura fácil, a escrita dela faz-nos ter vontade de continuar a ler, de não parar! Só tem um problema, como todos os livros pequenos: Começa a correr muito depressa.

Bem, a história é sobre um acidente de avioneta, onde apenas duas pessoas sobrevivem, um homem, que parece ser rude, antipático, anti-social... e tal e tal, e Rutsy, a única rapariga que estava na avioneta. Que, até ao acidente, era um pouco supercial, que se importava com roupa e beleza (ou pelo menos, quando estava com as amigas). No acidente, ela mostra-se corajosa.
Numa ilha (onde a avioneta caiu), os dois vêem-se obrigados a conviver um com o outro. Para piorar a situação, Rutsy tem uma ferida na perna, que lhe pode dar bastantes problemas.

Cooper, vê-se na obrigação de a ajudar, coze a ferida, dando-lhe bebida (que tiraram na avioneta) como anestesia.

Depois de passarem tempo juntos, de dormirem juntos para não terem frio (uma ideia genial :P) e de muitas experiências e hábito um com o outro, ambos começam a sentir algo mais. O que vai ser um problema. Cooper põe na cabeça que a vai magoar, porque não se consegue entregar completamente a ninguém (ele foi feito refém de uma guerra, e quando voltou, apaixonou-se e a mulher, traiu-o de uma maneira ...)

No final, depois de viverem numa cabana que encontraram, são resgatados. O pai de Rutsy aparece, com gestos generosos em frente das câmaras dos jornalistas (com o acidente tornaram-se famosos por sobreviverem). Para piorar a situação (contada na perspectiva de Rutsy), as suas amigas e toda a gente pensa no sucedido como uma aventura que pode trazer lucros, uma diversão pois acabou tudo em bem. Mas na mente de Rutsy isso não é assim, morreram pessoas no acidente, tudo o que ela viveu foi horrivel, foi com puro instinto de sobrevivência. E o pai, em vez de a apoiar, continua a compará-la ao irmão, a dizer como o irmão era melhor que ela (O irmão e a mãe morreram), como sempre fazia.

Rutsy começa a sentir falta de Cooper (visto ele ser uma cabeça dura voltou para a sua terra), e depois de uma confusão criada pelo pai de Rutsy, deixa de lhe falar.

Gostei bastante do final, foi engraçado!!! E eu não estava a espera que fosse assim =D

Aqui fica a sinopse:

"Tinham de sair dali… e, ao mesmo tempo, lidar com o que sentiam!

Não confiavam um no outro. No entanto, depois de o seu avião sofrer um acidente que os deixou perdidos em terras distantes do norte, aqueles estranhos não tiveram outra alternativa senão ajudarem-se.Rusty Carlson, uma mulher de negócios bonita e segura de si, estava ferida, aterrorizada e sozinha com um homem que receava. Porém, uma coisa era certa: sem a ajuda daquele homem, morreria.O veterano do Vietname, Cooper Landry, sentia um profundo rancor pelas mulheres bonitas como Rusty. A experiência ensinara-o que eram interesseiras. Contudo, ele enfrentara perigos muito piores e, naquela situação, não estava disposto a permitir que ela destruísse a possibilidade de sobreviverem.Mas havia predadores nos bosques, tanto animais como humanos, e tudo estava contra eles. Conseguiriam superar aquilo, mas Rusty e Cooper não estavam preparados para suportar a descoberta de que desejavam muito mais do que sobreviver…"

Finalmente um novo livro editado em Portugal! Como refere a SDE "O talento de Nora Roberts melhora com a idade – tal como um bom vinho."

Achei este livro ligeiramente diferente dos que já li até agora desta autora. Ao contrário do que acontece habitualmente, aqui a história não se centra apenas num casal principal. Existem dois pares românticos: Um mais amoroso, outro mais... amor-ódio.
Adorei essa ideia, porque ficamos completamente rendidos aos dois casais (que curiosamente, as mulheres são mãe e filha).

Bem, o livro fala sobre um negócio da familia Giambelli, um famoso negócio de vinhos. Tudo corre bem até que começam a existir homicidios que pôem em causa os vinhos Giambelli.

Quem não liga minimamente a estes assuntos, não tem de se importar, pois a Nora consegue envolver-nos de tal maneira que deixamos de dar importância a esse pormenor.

Na história, a Sophia e o Ty (um dos casais principais, o que eu classifico como amor-ódio) demoram um pouco até se envolverem, mas acho que isso tem a ver com o facto de haver outro par romântico que compense a "falta de romântismo" entre eles. Mas não se preocupem, porque apesar de não se envolverem, não significa que a gente não veja as faíscas que deitam sempre que se encontram!!

Pelo contrário, a história de David e Pilar, é como que um amor à primeira vista. É bastante romântica. Eles vão ser quase um porto de abrigo um do outro...

Todas estas "relações" começam (ou têm oportunidade de começar) graças a La Signora (Theresa), a matriarca da familia. Ela tem a "excelente" ideia de juntar Sophia e Tyler (Apesar de não pensar no lado romântico da coisa) numa parceria, onde ela, que fazia a publicidade, vai passar a trabalhar nas vinhas também, e ele, que trabalhava nas vinhas, vai passar a trabalhar também na publicidade.

La signora contracta ainda David para trabalhar na empresa, fazendo com que se encontre com Pilar.

Outra coisa nova no livro da Nora, é nós sabermos à partida quem é que é o causador de todos os problemas do negócio de familia. Achei maravilhoso o facto dela ter apresentado a maneira de pensar do "criminoso".

Quem quiser ler um excerto do livro (Cuidado que vão querer comprar o livro para continuar a leitura) com 111 páginas pode clicar no seguinte link: http://www.saidadeemergencia.com/uploads/books/samples/cv2_Villa.pdf

Aqui fica a sinopse:

" Sophia é a herdeira do negócio de vinhos da próspera família Giambelli. Sob ordens da sua avó, ela tem de aprender todas as etapas da produção de vinho. O seu tutor, Tyler MacMillan, é um jovem atraente com uma grande paixão pelas vinhas, mas apenas desprezo pelo mundo de negócios. À partida, esta promete ser uma parceria difícil, mas quando a reputação dos vinhos Giambelli começa a ser misteriosamente atacada, a difícil relação transforma-se num inesperado romance. Infelizmente alguém ambiciona destruir mais do que o negócio de vinhos. Mas só quando o pai de Sophia é morto e os membros da família se tornam suspeitos, é que a verdadeira dimensão da ameaça é revelada. Será que a própria família Giambelli está em risco? E o que pode um frágil amor perante tamanha teia de manipulação?"

Bem, para meu desespero, a minha internet avariou! Portanto não tenho vindo ao blog para falar das minhas leituras, agora que consegui entrar na internet do portátil vou actualizar aqui o espaço :D

Este livro, confesso, surpreendeu-me bastante. Quando me falaram dele, e mesmo pela sinopse (Que eu acho que não tem muito a ver com a história real do livro) pensei que ia ler uma história centrada num romance entre a Mary e um homem. Que iria ser um livro que nos ia mostrar uma versão cor-de-rosa de um mundo cruel, onde o amor iria valer mais do que tudo.

Só posso dizer que o livro foi como um choque, um banho de água fria que levei. Pois todas as impressões que tinha estavam erradas. E o livro era mais pesado (emocionalmente) do que eu estava à espera.


Então, a história centra-se na vida de uma jovem, Mary, que, depois de sair de casa para tentar levar uma vida melhor, é presa por roubar (ou tentar) um chapéu de chuva a uma mulher rica (Claro que tem a ver com as más influencias das duas raparigas que a acompanham e a metem nessa via).

Vai a julgamente pelo seu crime (que é bastante cruel realmente, imagine-se, haviam pessoas a ser presas por roubar uma empada...) e é decidido pel "tribunal" que ela tem de ser enforcada. Como é nova, acaba por ser exilada em vez de ter pena de morte (tem de estar em exílio durante 7 anos). O que é uma "luz ao fundo do túnel" para Mary. Todas as esperanças que a rapariga teve ao saber que iria viver, quase que morreram ao entrar no navio que a iria levar, juntamente com outros presos, para o local, na Austrália, do exílio. É então presa no porão do navio, onde já estavam presas mais pessoas. O cheiro era horrível, existiam ratazanas, e a maior parte das mulheres lá presentes (como é obvio os homens estavam noutro lado) estavam doentes.

Esta é uma viagem que vai mudar a vida de Mary, lá conhece Tench, o "comandante" do navio. Ele era uma pessoa com um coração enorme, ele tenta ajudar os presos, tenta dar-lhes melhores condições. A ideia com que fiquei dele, é que era um homem extremamente generoso. Fiquei logo animada ao pensar que dali ia nascer um grande amor e tal... E nascer até nasce, mas vamos sentir-nos mal ao perceber que eles nunca o vão admitir (ou vão, tarde demais). Depois da viagem, todos ficam com as esperanças renovadas ao chegar ao local onde vão desembarcar, mas descobrem que nada é o que pensam. As terras são inferteis, apenas com os índios, que não os vêem com bons olhos. Para piorar a situação, a terra parece afectar o cérebro das pessoas, e os homens, vão violar as mulheres na primeira noite que lá passam. Até senhoras idosas... Mary consegue fugir para a praia, mas é apanhada por dois homens. Felizmente Will (um amigo que conseguiu no navio) aparece e salva-a.

Eu podia falar da história do livro até não ter mais espaço, mas para isso iria ter de dar muitos spoilers, e isso ia tirar a graça a quem o quer ler. Posso dizer que ela vai apanhar muitas desilusões, vai ser traída (no sentido carnal e noutras situações) pelo marido, vai perder os filhos, vai viver momentos de desespero profundo, de fome...

Acho que a Mary era uma mulher "de armas". Era corajosa, inteligente, determinada, teimosa, uma óptima mãe, lutadora... Uma mulher que devia ser seguida de exemplo!

Acho que há muito tempo que não chorava tanto num livro, e o facto de saber que tudo isto é baseado numa história verídica torna tudo mais doloroso, sabermos que esta é uma história real, que a corajosa e inteligente Mary realmente existiu.

Não se sabe o que aconteceu depois a Mary, apenas existem registos do que lhe aconteceu até ao que é descrito no final do livro. Espero sinceramente que tudo lhe tenha corrido bem, ela bem merecia.

Aqui fica a sinopse:

"Num dia...Com um gesto apenas...A vida de Mary mudou para sempre.Naquele que seria o dia mais decisivo da sua vida, Mary – filha de humildes pescadores da Cornualha – traçou o seu destino ao roubar um chapéu.O seu castigo: a forca.A sua única alternativa: recomeçar a vida no outro lado do mundo.Dividida entre o sonho de começar de novo e o terror de não sobreviver a tão dura viagem, Mary ruma à Austrália, à época uma colónia de condenados. O novo continente revela-se um enorme desafio onde tudo é desconhecido… como desconhecida é a assombrosa sensação de encontrar o grande amor da sua vida. Apaixonada, Mary vai bater-se pelos seus sonhos sem reservas ou hesitações. E a sua luta ficará para sempre inscrita na História. Inspirada por uma excepcional história verídica, Lesley Pearse – a rainha do romance inglês – apresenta-nos Mary Broad e, com ela, faz-nos embarcar numa montanha-russa de emoções únicas e inesquecíveis."

Bem, apesar de não gostar de ler os livros do Nicholas Sparks (e quando digo não gostar, é não gostar mesmo. ) Embirrei com ele :P Quer dizer, embirrar é exagero. Tenho admiração pelo trabalho dele. Apesar de não o conseguir ler. É contraditório, mas é verdade. Talvez seja porque nos livros dele, os leitores são obrigados a confrontar-se com a ideia de que nada dura para sempre. Acho que são lições de vida. E isso muitas vezes, faz-nos ver que não estamos a viver a nossa vida de acordo com o que realmente queremos, e pior, que temos medo de mudar, de arriscar. E que por causa desse medo, muitas vezes, perdemos oportunidades únicas.


Decidi ler este livro, porque toda a gente fala dele como um dos melhores do Sparks. Decidi fazer download do filme, e estive a ver. A história é linda. Fiquei surpreendida com as diferenças que existem entre o filme e o livro. Sei que é sempre assim, mas não esperava que fosse assim. Acho que devia ter lido o livro primeiro.

O livro fala da história de Allie e Noah, ela rica e ele, como é de esperar, pobre. Ambos se apaixonam, mas vêem-se obrigados a ser separados, e graças à mãe de Allie, ambos cortam contacto um com o outro.

Achei que o filme transmitia mais ... paixão. O filme dá-nos mais detalhes do que acontece no verão em que ambos se conhecem, no livro também nos apercebemos, mas apenas em memórias incompletas.

Comecei a gostar mais do livro, quando eles estão juntos, a conversar e a relembrar o passado. Adorei uma carta que o Noah escreveu para a Allie, e tenho pena que o filme não a tenha mostrado. É a seguinte:

" A razão porque dói tanto separar-nos é porque as nossas almas estão ligadas. Talvez sempre tenham estado e sempre o fiquem.Talvez tenhamos vivido milhares de vidas antes desta, e em cada uma nos tenhamos reencontrado. E talvez em cada uma tenhamos sido separados pelos mesmos motivos. Isto significa que esta despedida é, ao mesmo tempo, um adeus pelos últimos dez mil anos e um prelúdio ao que virá.
Quando olho para ti vejo a tua beleza e graça, e sei que cresceram mais fortes e, cada voda que viveste. E sei que gastei todas as vidas antes desta à tua procura.Não de alguém como tu, mas de ti, porque a tua alma e a minha têm de andar sempre juntas. E assim, por uma razão qeu nenhum de nós entende, fomos obrigados a dizer adeus um ao outro.
Adoraria dizer-te uqe tudo correrá bem para nós, e prometo fazer tudo o que puder para garantir que assim será. Mas se nunca nos voltarmos a encontrar e isto for verdadeiramente um adeus, sei que nos veremos ainda noutra vida. Iremos encontrar-nos de novo, e talvez as estrelas tenham mudado, e nós não apenas nos amemos nesse tempo, mas por todos os tempos que tivemos antes.
"

Quem quiser fazer download do filme, basta clicar neste link: http://www.megaupload.com/?d=CC3IZHAD, é gratuito. Tem legendas em Português Brasileiro, mas percebe-se muito bem.

Entretanto, aqui fica a sinopse do último livro que li e que alguma vez lerei do Nicholas Sparks:

" Todas as manhãs ele lê para ela, de um caderno desbotado pelo tempo, uma história de amor que ela não recorda nem compreende. Um ritual que se repete diariamente no lar de idosos onde ambos vivem agora. Pouco a pouco, ela deixa-se envolver pela magia da presença dele, do que ele lhe lê, pela ternura dele... E o milagre acontece. A paixão renasce, transpõe o abismo do tempo, o abismo da memória, e por instantes ela volta para ele... Apesar da doença. Mas haverá mais. Um livro escrito com uma força delicada e comovente, uma beleza surpreendente e arrebatadora como há muito já não se encontrava na literatura recente."